No Brasil, apenas 15% do financiamento agrícola total oferecido pelos bancos tradicionais é distribuído entre 85% dos agricultores familiares. E nem sempre estas famílias conseguem receber os recursos nas datas adequadas para iniciar a produção, o que acaba atrapalhando os negócios e impedindo boas oportunidades.

No caso da Cooperativa das Quebradeiras de Coco Babaçu de Itapacuru-Mirim, associação maranhense formada em 2015 que reúne 72 mulheres, não havia capital de giro para iniciar a produção mesmo depois de elas terem vencido o edital para comercializar seus produtos pelo Procaf (Programa de Compras da Agricultura Familiar), do Governo do Estado do Maranhão. “Não tínhamos verba para adquirir matéria-prima e não conseguimos empréstimo pelas vias tradicionais”, conta Maria Domingas Marques, presidente da Cooperativa.

Para associações como essas, a obtenção de crédito encontra obstáculos de diferentes naturezas. Uma delas é a  desbancarização do pequeno produtor, que representa um problema no Brasil. “A segunda é por questões documentais. Nem sempre o agricultor familiar possui escritura de seu terreno, por exemplo, o que inviabiliza a aquisição de empréstimo”, explica Cláudio Rugeri, CEO da Culte, empresa maranhense que nasceu em 2018 com o propósito de ser um ecossistema completo de apoio ao pequeno produtor.

O sonho de criar uma empresa para ajudar esta parcela da população sempre moveu Rugeri e sua esposa, Bianca Ticiana. Quando se conheceram, há 21 anos, adquiriram juntos uma fazenda no Estado do Maranhão, onde moravam. E perceberam que alguns de seus vizinhos tinham grandes extensões de terra, mas não produziam absolutamente nada - o que os fez questionar os motivos. “Entendemos a realidade deles e tivemos a ideia de reunir outros fazendeiros para financiar o plantio e a criação de pequenos agricultores. Fizemos isso durante um bom tempo e enxergamos a possibilidade de mudar a vida de muita gente”, diz ele.

Anos depois, o antigo sonho amadureceu e o casal decidiu transformar os empréstimos praticados no Maranhão em startup - a Culte. Por meio dela, os pequenos produtores podem obter ajuda para alavancar seus negócios (seja no plantio ou na pecuária), contar com uma conta digital que facilita a geração de links de pagamento, emissão de boletos e outras funcionalidades e também criar sua própria loja para vender mercadorias sem intermediários. Foi assim que Domingas e as demais 71 mulheres puderam concretizar o sonho de fornecer itens como biscoito, azeite, mesocarpo, sabão, sabonete e óleo de coco babaçu por meio do Programa do Governo do Estado do Maranhão.

Outra propriedade que se beneficiou dos empréstimos alternativos foi a Granja Fandango, do produtor Neilson dos Santos Sousa. Ele esbarrou na burocracia ao buscar financiamento para aquisição de animais e melhoria da infraestrutura de seu negócio. “Embora minha propriedade  seja grande, trata-se de uma  herança e não possui todos os documentos necessários para atender às exigências de uma instituição financeira. Além disso, os prazos para liberação de recursos eram enormes, o que me levou a buscar outras formas de conseguir verba”, revela ele, que recorreu à Culte para atingir seus objetivos.

Depois de passar por programas de aceleração, como Inovativa Brasil e LIFT Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas do Banco Central e da Fenasbac, nos últimos 6 meses a Culte recebeu mais de R$ 15 milhões em solicitações de empréstimos, sendo que 70% dos agricultores que solicitaram nunca tiveram acesso a crédito. Hoje, a startup está presente em 20 estados brasileiros, reunindo mais de dois mil pequenos agricultores; destes, mais de 30% são mulheres.

Em setembro, a startup lançou uma criptomoeda que permite a compra antecipada da produção destes pequenos agricultores - a cultecoin. “A ideia é possibilitar a conexão entre o produtor e empresas que estão precisando das mercadorias – como agroindústrias, cooperativas, hospitais, hotéis, restaurantes e outros estabelecimentos que necessitam de grandes volumes - para uma compra maior”, esclarece o executivo.

Por outro lado, os agricultores também podem realizar compras em conjunto conseguindo melhores condições junto aos fornecedores. “Nós, da Culte, acreditamos que todos usufruímos dos frutos do agronegócio, portanto temos o dever de apoiar os agricultores e produtores rurais”, diz o CEO.

Para ele, é preciso impulsionar o agronegócio familiar brasileiro. “O sistema bancário tradicional não é capaz de suprir com recursos financeiros subsidiados e tecnológicos de maneira abrangente e no período adequado”, afirma Rugeri. “O aumento persistente na demanda de alimentos, causada pelo crescimento populacional, e a mudança na dieta à medida em que a classe média global se expande, cria nichos de mercado atrativos no agronegócio, oferecendo oportunidades de investimento em tecnologia e infraestrutura”, finaliza ele.

https://www.portaldoagronegocio.com.br/politica-rural/agricultura-familiar/noticias/agricultores-fam...

Notícias relacionadas

Trigo: confira técnicas para reduzir contaminação por micotoxinas Trigo: confira técnicas para reduzir contaminação por micotoxinas

Orientações reunidas por pesquisadores da Embrapa buscam o controle da contaminação do trigo por micotoxinas do campo à indústriaPesquisador...

Mulheres no campo Mulheres no campo

O papel fundamental das Primers no agronegócioCada dia mais as mulheres têm conquistado mais espaço no mercado de trabalho, e atualmente des...

Prazo para declarar imposto sobre propriedade rural acaba hoje Prazo para declarar imposto sobre propriedade rural acaba hoje

Mais de 3,5 milhões de contribuintes enviaram a declaração à RF; expectativa é que 5,9 milhões sejam entregues até o fim do prazoTermina nes...

Soja/Cepea: Baixa umidade reduz ritmo de semeadura no Brasil Soja/Cepea: Baixa umidade reduz ritmo de semeadura no Brasil

Com as chuvas irregulares e abaixo do esperado, produtores de soja diminuíram o ritmo de semeadura da nova safra, que havia sido iniciada em...

Bolsonaro zera alíquotas de impostos sobre importação do milho até o fim de 2021 Bolsonaro zera alíquotas de impostos sobre importação do milho até o fim de 2021

Segundo o Ministério da Agricultura, a medida deverá proporcionar queda do preço do milho em torno de R$ 9 por sacaA Secretaria-Geral d...

Produtor de milho inicia primeira safra de 2021 com novas perspectivas Produtor de milho inicia primeira safra de 2021 com novas perspectivas

Cultura mais afetada pelo clima, cereal teve projeções revisadas ao longo da temporada, porém as estimativas para a próxima safra são animad...

Existe um melhor momento para o manejo de daninhas na soja? Existe um melhor momento para o manejo de daninhas na soja?

FMC traz dicas que podem ajudar o produtor conseguir um melhor controleCom a proximidade do verão, os produtores começam a se preparar para ...

Feliz Dia do Cliente! Feliz Dia do Cliente!

Para nós, é uma grande satisfação saber que você nos prestigia. Só temos a agradecer por fazer parte do seu caminho.

Abertura Nacional do Plantio da Soja será em Campos Novos (SC), em 30 de setembro Abertura Nacional do Plantio da Soja será em Campos Novos (SC), em 30 de setembro

Evento marca as dez safras do Projeto Soja Brasil e terá o tradicional enfileiramento de plantadeirasA Abertura Nacional do Plantio da Soja ...

Soja: exportações brasileiras somam 757,393 mil toneladas em setembro Soja: exportações brasileiras somam 757,393 mil toneladas em setembro

Na comparação com setembro de 2020, houve alta de 73,83% na receita média diária e de 24,43% no volumeAs exportações de soja em grão do Bras...

Criado e desenvolvido por HLQ - Criação de sites